• Blog do Curso de Direito

Egresso em Destaque
EGRESSOS

Egresso em Destaque

Paulo Henrique Maia, 28 anos, é egresso do curso de Direito, turma 2013.2, da UNICATÓLICA.

Durante a graduação, o egresso realizou atividades extramuros, estagiando nos órgãos judiciários, em Quixadá, como Justiça Estadual e Federal, com o objetivo de fomentar e sedimentar, ainda mais, o conhecimento jurídico adquirido na IES. A tríade teoria-prática-estudo lhe permitiu a aprovação no Exame de Ordem, antes mesmo de finalizar a graduação (9º semestre), e, ciente de que não era vocacionado para o exercício da advocacia, passou a estudar para concursos públicos.

Após sua formação, iniciou a maratona de provas, com foco em Tribunais de Justiça para o cargo de Analista e Técnico. Conseguiu a primeira aprovação, em 2015, para o cargo de escrivão da Polícia Civil do Ceará. Nomeado em 2016, permaneceu exercendo as referidas atribuições de escrivão, por quase dois anos, na Delegacia Regional de Quixadá e Delegacia de Defesa da Mulher de Quixadá. Em agosto de 2018, foi nomeado para outro cargo público, decorrente de concurso público, qual seja Técnico Judiciário do Tribunal de Justiça do Ceará, com lotação no Fórum da Comarca de Quixadá (3ª Vara). “Trabalhar no Judiciário é engrandecedor pois é onde efetivamente a justiça se manifesta de forma mais viva e próxima dos cidadãos que pleiteiam seus direitos”, afirma Paulo Maia.

Atualmente, o egresso está cursando Pós-graduação na área de Direito Penal e Processo Penal e continua os estudos para outros concursos públicos. “A UNICATÓLICA teve grande participação na minha permanência em Quixadá, pois consegui realizar minha graduação sem me deslocar para outras cidades. Além disso, a IES exerceu papel fundamental nessa trajetória vitoriosa, graças a sua boa estrutura física, associada com corpo docente qualificado e, principalmente, sua visão humanística, que permite aos seus alunos o amadurecimento pessoal e profissional, necessário para encarar os desafios da vida e do mercado de trabalho. No serviço público, essa visão humanística é, ainda, mais valiosa, tendo em vista o público-alvo na qual lidamos, cidadãos desprovidos de conhecimento e sem recursos financeiros, e a natureza das atividades exercidas”, concluiu.

Por: Eliane Rodrigues

Deixe seu comentário